27 agosto 2008

o porquê do português ser português

Há uns tempos atrás recebi este email de uma muito querida amiga, e com a sua autorização, não resisto a publicá-lo.
hello amiga!!
Realmente os chefes são uma coisa muito chata. Mas ter chefe ás vezes não é nada mal sinal. Eu própria estou à procura de um chefe. Se por acaso souberes de um chefe disponível avisa, já sabes.Gostava de ter um chefe na área da produção e organização de eventos, anda-me a apetecer ter novamente um chefe neste área da produção. Acho que me gosto de preocupar AHAHAHAHA! mentira.
Quando voltas ao teu querido Portugal amiga???? o rancho folclórico já está marcado para a festa, diz-nos quando vens para a gente limpar a casa e substituir o galo de Barcelos que fica em cima da chaminé, mas não é galo um qualquer não senhor, é um daqueles lindos aveludados que nos dizem como vai ser o tempo amanhã, é que o nosso já tem um bocadinho de gordura, derivado ao local onde está exposto pois é claro. Diz lá amiga se estes galos de Barcelos não são um dos maiores mistérios da vida e da cultura portuguesa, desde pequena que me intrigam estes objectos. Como é que eles sabem que amanhã chove ou faz sol ou até que o tempo está nublado??? é de facto um dos maiores mistérios da vida a par com as sete sais das nazarenas que ainda hoje não sei porque tinham tantas, e se é que as tinham na realidade. As tortas de Azeitão e toda a imensa quantidade de bolos existentes na nossa doçaria são também um mistério. Só um povo infeliz como o nosso poderia produzir tamanha variedade de bolinhos e bolões, dar nome a cada um deles e permanecer inerte e infeliz, não achas? Bem, mas isto explica muita coisa pois está provado que o açúcar na realidade e um depressivo, pois passado o "quico" inicial o "baixão" de açúcar seguinte provoca tal dor de alma que a malta segue infeliz e agarrada aos doces. Mas aqui reside a chave para a explicação da saudade e para pregar aos governantes deste lindo país à beira -mar plantado um susto descomunal. Pois fechem todas as pastelarias do pais e o português revoltar-se-á. Vão ver, acaba-se de vez com a apatia do açúcar. Eu tive muita esperança com a crise dos combustíveis, pois imagina lá tu bem o que era o lisboeta sem sardinha para o santo António!!! Revolta na certa. Mas a verdade é que apareceram as sardinhas e foram as melhores da minha vida. Comi-as numa paralela à rua da Bica, assadas por um senhor de origem caboverdiana com negócio na Bica e residente em Sacavém (eu bem que lhe reconheci o filho). O dito senhor, possuidor de uma enorme simpatia e de uma grande bebedeira (eram os santos populares pá!) pagou-me uma rodada de sangria, pois era o meu aniversário e fez o seguinte brinde: Sacavém é outra loiça! Diz lá amiga se Lisboa não é linda, Portugal e Sacavém também??? Bem basta de divagações acerca do porquê que o português é tão português e destas pequenas particularidades que nos fazem ser um povo tão especial. Já agora é óbvio o motivo porque todos os alemães e até os italianos querem levar um galo de Barcelos para casa. É que eles não conseguem ser tão especiais como nós. Após este discurso de cariz nacionalista espero que te sintas melhor e mais próxima de cá, porque "nós por cá tudo bem" mas cheia de saudades da amiga emigra. muitos beijinhos e muitos abraços da amiga Anita Catársica entre cá e lá.

4 comentários:

manyfaces disse...

"eles não conseguem ser tão especiais como nós". Pois não conseguem não. E isso é bom para eles.

dorean paxorales disse...

Jeremíades...

zamotanaiv disse...

Muito bonito!

Basheerah disse...

Muito divertido e muito interessante. Gostei! :)