24 setembro 2008

poesia

Diz-me ela: Mamã, vou-te ler uma poesia que eu escrevi:

Querida cidade:
cuida do mundo cuidemos do mundo
que à noite vai acontecer uma coisa terrível
vai vir um gigante com ramos de flores
e vamos ter de ir para outra cidade
e depois vamos ter de voltar
porque não vai haver nada nada nada

Digo-me eu: juro que não me lembro de ter andado a falar das teorias sobre o fim do mundo ao pé dela.

2 comentários:

d. lurdes disse...

deve ter visto ou sabido do wall-e

d. inês sequiosa disse...

Ah tigresa. Temos poeta.