17 setembro 2008

Les uns et les autres

(M. perguntou-me sobre a dirty boulevard. A personalidade múltipla cruzou-se com a esclerose múltipla mas as palavras desataram-se e este é o relato muito livre a partir da história de M.)


Quando começou a ler não queria acreditar. Num relâmpago voltou tudo. A dor, a mágoa, os roubos, o choro. A incompreensão do mundo, das pessoas, da vida, das razões ou da falta delas. A incredulidade. A esperança sucessivamente espezinhada. As mentiras com tantas máscaras. A sanidade a fugir. Até o medo físico. Outra vez aquela sensação das pernas a desfazerem-se e ela com as crias a escorregarem do colo. O pânico do sangue gelado, o ouvir um choro ao longe e o coração a querer sair pela cabeça. E o cansaço, aquele cansaço…!

M. foi peão avançado numa guerra sem regras nem tréguas, que não queria nem compreendia. M. foi porta estandarte, drum boy, oficial de aprovisionamento, capelão, guarda costas, revisor de contas e fiscal de linha. M. rilhou o dente e abriu as pernas. M. foi à doutora e fez tudo o que ela lhe dizia para ir fazendo como “co-terapeuta” que era. M. inventou milhares de receitas diferentes de esparguete, deu banhos com água aquecida em panelas, reciclou fraldas e tapou as cáries com pastilha elástica enquanto cantava canções de embalar. Todos os dias M. afinava o sorriso ao espelho e ia trabalhar.

M. pensava que se aguentasse tudo, se cumprisse à risca, se não falhasse nunca, se encobrisse sempre, a vida ia-se compor. M. aprendeu da pior maneira o primeiro passo: a impotência perante a dependência química.

Hoje M. tem uma nova vida, onde já ensaia uns - ainda tímidos - passos. Compreendeu que não há só uma maneira de ajudar os outros e que tem o dever de se ajudar a si própria. Compreendeu que cometeu um erro primário ao não perguntar a cura a quem tem as mesmas cicatrizes. E “só por hoje” não vai tentar resolver todos os seus problemas ao mesmo tempo.

The “Dirty Boulevard”… A crowded place!

4 comentários:

dizia ela baixinho disse...

a crowded place, indeed.

texto notável.

beijos!

Anónimo disse...

A vitória brilhará àquele que tímido ouse.

Agostinho da Silva

na prise és bestial disse...

Uma avenida cheia de gente. Ainda bem que podemos lê-la aqui.

sete e picos disse...

Muitas facetas do dirty boulevard. E esta muito corajosa, para além de muito bem contada.Ainda estou sem respirar.