11 outubro 2008

Fim

E agora era um homem, ainda procurando o amor que nunca encontrei nas namoradas com quem vivi, nas amigas a quem me dei, nas mulheres com quem dormi, e aparecias tu, abandonada pela vida, pelo desejo, pela esperança, e falavas-me da tua dor que nunca mais acabava, das feridas que não mais saravam, da vontade que tinhas em estar, em ser, em acontecer tudo aqui, agora, e depois sorririas, e eu sorriria também, sabendo que serias tu a última pessoa que veria quando as minhas mãos deixassem de tocar, o meu coração deixasse de bater e a minha alma deixasse de sentir.

2 comentários:

Anónimo disse...

How I wish!

Bjs,
Miss Dipesto

dualitate disse...

Lindo. lindo. lindo...