02 outubro 2008

Moooooooooooooooooosh!

Três caixas de comentários abaixo, a tal que parece uma panela de pipocas, acusaram-me de ser intelectualmente desonesta. Achei uma maravilha! Palavra que me diverti! Especialmente porque sempre disse que casamento é “entre pipi e a pilinha - mai nada”. Da mesma maneira que, noutro plano, arrendamento não é leasing, contrato promessa não é contrato definitivo, acessão não é compra, lei não é regulamento, novação objectiva não é novação subjectiva, prescrição não é caducidade, and so on. Isto não são gavetas, são institutos jurídicos diferentes embora possam ter entre si pontos de contacto, maiores ou menores.

Confesso que achei particular graça ao pseudónimo, à referência a “dogma” e à preocupação do “criador”, sendo que eu – para além de também achar que uma das grandes obras do Criador é, justamente, as sinapses do beijo - estou a falar no plano da estrita técnica do direito, essa grande ciência!

4 comentários:

manyfaces disse...

Estou consigo. Ando muito legalista. Ainda há dias, em desespero, me tentei agarrar aos meus direitos conjugais devidamente contratualizados. Acontece que o contrato é pouco explícito. Não posso ir ter com o juiz (ou o Padre) a queixar-me de falta de amor. E é pena. No limite lá me perguntariam "mas foi consumado ou não foi?". Foi, foi... quando os dinossauros ainda tinham dentes. Os legisladores só pensam no patrimonio e nas guardas parentais e tal... E o amor?
Estive envolvido num processo de divorcio litigioso dum amigo, como testemunha. Depois de meses a caminhar para o tribunal para definir desde a guarda dos filhos até à partilha dos móveis, lá se chegou a um acordo. Na sessão final, já estava tudo acordado beijos e abraços e até sempre... quando o meu amigo se despede de mim, "porra, o que me custa é que eu adoro aquela mulher". Isto do amor não poder sem objecto de partilha, é terrivel... Pegava-se no amor dele (o único que sobrava), dividia-se ao meio, metade para cada um... chegava e sobrava para toda a gente... Acho que se devia legislar nesse sentido. Resolvia tanto problema...

a coluna vertebral disse...

Ah grande oito,
Podes guardar a luva branca.

Sempre tua,
Coluna

8 e coisa 9 e tal disse...

Querida Coluna,

Guardadum est! ;-)

sem-se-ver disse...

querida oito, permita-me chamar a atenção para este link/artigo, que acabei de ver linkado noutro blog:

http://womenage.lifelogger.com/853210