29 agosto 2007

Terra à terra

O que é um pedaço de terra com outra tanta terra por cima? Terra. O que restará dos despojos dessa terra quando passarem os anos que estão estipulados pelo cemitério? Há quem diga pó, eu digo terra.
- Estou menina ----?
- Sim, sou eu.
- Vamos levantar a sepultura.
- (...) Não vou vou estar presente.
- Compreendemos, menina. Telefonaremos mais tarde.
[driiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiimmm]
- Estou?
- Lamentamos, mas o corpo ainda não estava 'pronto'.
- E agora?
- Agora, só daqui a seis anos o levantaremos novamente.
- Vai continuar no mesmo lugar?
- Sim, no mesmo lugar.
Ontem senti-me absurdamente rídicula com as flores na mão. 9 anos depois e ainda consigo ouvir o barulho daquela rosa a estatelar-se contra a madeira.

3 comentários:

na prise és bestial disse...

Um abraço por todos os dias em que ouves a rosa a estatelar-se contra a madeira.

sete e picos disse...

um grande abraço também desta que teme o dia em que terá as rosas na mão.

Ps: também não me posso esquecer de assinar o dito papel!

no baile da d. ester disse...

fiquei sem palavras durante muito tempo. Tenho mais rosas na mão do que gostaria. E hei-de ter mais ainda. Quando chegar a minha vez quero ser cremada, não quero que os meus descendentes tenham de passar por isto, prefiro que se lembrem de mim por outras coisas. Papelinho assinado já.