02 abril 2009

Discriminações

Um jovem professor dirigia-se a uma classe de adolescentes de 14 anos, na qual 2 meninas usavam calções, mais ou menos nestes termos: "de qualquer maneira vocês, raparigas, se usam calções é apenas porque querem mostrar as pernas".
E isto assusta-me. Mais do que me assustam as palavras de um papa que têm como missão a manutenção de um dogma que alimenta milhões. Assusta-me que um rapazote moderno, urbano, até giraço, pregue tais ideias e dissemine a teoria de que os propósitos de homens e mulheres se diferenciam na forma como fazem uso dos hábitos que vestem. Porque sustentar que o homem que usa calções tem calor mas a mulher que o faz quer mostrar as pernas é meio caminho para legitimar outras posições mais extremistas. Faz-me lembrar um dia que, estando grávida na fila do supermercado (muito grávida!) fiz valer os meus direitos e pedi prioridade. Ouvi, da boca de um sexa ou septuagenário o bonito comentário: a puta andou a divertir-se e agora ainda tenho que lhe dar o lugar

13 comentários:

no baile da d. ester disse...

aos quinze anos tive um professor que nos disse mais ou menos isso. E pedia para as raparigas não levarem mini-saia para as aulas, porque distraiam os colegas rapazes e a ele professor, coitado. Deu acesa discussão, pelo menos comigo, que defendia o meu direito de vestir o que bem me apetecesse sem ter de me preocupar com a hormona alheia. "Quem anda de perna à mostra habilita-se". Haja pachorra.

8 e coisa 9 e tal disse...

E ao fim de tantos anos de democracia, continuamos a ouvir a mesma merda!

ana disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ana disse...

Aconteceu-me à anos, tinha eu cerca de 7/8 anos. O colégio que frequentava, digamos fazia de certa forma parte da igreja, e por isso o Sr. Padre quando ia fazer as suas ditas visitas a pessoas de maior idade, levava consigo uma criança, todas as crianças gostavam de ir, iam passear, eu não era excepção, no dia que queria ir, "ele" não me levou porque eu estava de saia! Vai-se lá perceber estas mentes primitivas!

Manyfaces disse...

pois então, não foi um Juiz que disse num famoso acordão que isto é a coutada do macho Ibérico.
watch out...

não resistiu ao wiski disse...

Estava eu no sexto ano quando o meu professor de português se saiu com esta pérola quando um colega sem querer deu um arroto:
-"Quem arrota quer pichota!".

Ora isto para pessoas com 11/12 anos foi de uma violência brutal, para além do facto do pobre rapaz ter sido alvo de uma marcação sebosamente serrada por parte do professor durante todo o ano lectivo e nós impotentemente a assistir aquilo.
Isto só para dizer que independentemente da orientação sexual o macho latino quando toca a ser porco, é mesmo!

Agora penso que se calhar estava-mos numa aula de cultura portuguêsa e não sabiamos.

Anónimo disse...

Uma coisa é certa, não prestou grande atenção à disciplina. Se tivesse prestado saberia que "estava-mos" e "portuguêsa" não existem.

no baile da d. ester disse...

depois do "quem arrota quer pichota", o anónimo teria dado alguma atenção ao que o professor tinha para ensinar?

Anónimo disse...

A D. Ester julgará, porventura, que as aulas da disciplina de português da sua múltipla se terão resumido àquele dia e ao imbecil desse professor? Ter-se-á tratado de um infeliz curso ultra-intensivo, infelizmente com pobres resultados? Apesar de comovedoramente solidário com os erros alheios, o comentário da D. Ester é pouco lúcido. A menos que considere que a boçalidade então demonstrada pelo grunho docente foi de tal modo grave que bloqueou a futura aquisição de conhecimentos linguísticos por parte da sua colega de blog…

não resistiu ao wiski disse...

Caro anónimo comovedoramente solidário obrigada pela correcção .....espero, ao menos, que tenha compreendido o conteúdo do meu comentário. Ou ficou demasiado perplexo com o meu pontapé na gramática?
Na realidade não foi o professor de português que me fez ficar neste estado mas sim a quantidade de wiski que emborco todos os santos dias. Como pode compreender as sinapses hão-de ficar um tanto comprometidas.
Contudo o que me safa é que tenho umas múltiplas que me compreendem, defendem, acarinham e escrevem muito melhor do que eu....

Ó chefe! desculpe lá, e....
Vinva a liberdadi de espreção hipp! hipp!

Anónimo disse...

Cara não resistiu ao wiski,

Começo a preocupar-me consigo. Sobretudo com o facto de parecer não ter percebido que "comovedoramente solidário" não sou eu mas o comentário da D. Ester em sua defesa.
Primeiro a exegese, depois as sinapses.

no baile da d. ester disse...

Talvez o que o anónimo persista em não entender é que quem tem tiradas do calibre da do "quer arrota quer pichota" não apenas lhe faltam capacidades pedagógicas como de liderança de pré-adolescentes, e que isso pode na realidade ter consequências perniciosas no desenvolvimento da personalidade e mesmo da ortografia. Veja-se esta múltipla que teve de procurar conforto no fundo de uma garrafa, onde diz-se nunca se perde o pé. E neste caso também a mão para continuar a escrever.

preocupe-se, que nós fazemos o mesmo como demonstram os comentários ao tema. Mas também por si, que pelos vistos leva tão a sério a defesa dos direitos dos pronomes reflexos que não consegue passar da forma ao conteúdo quando são indevidamente usados.

não resistiu ao wiski disse...

Caro anónimo não se preocupe comigo que já há quem o faça.
E em relação ao "comovedoramente solidário" eu compreendi que era em relação ao comentário de D. Ester, somente achei "giro" e decidi apropriar-me dessa expressão tão brilhantemente por si produzida. Como pode reparar até a reutilizei e reformulei num comentário ao post Vidas (Não está atento. Muito mal! Muito mal!).

Não me leve a mal. Até poderia considerar um elogio, não?

E à D. Ester um eterno bem-haja.