28 junho 2008

Uma noite qualquer

Apesar da escuridão das duas da manhã descobri-o na minha cama quando entrei no quarto. Olhava-me enquanto me despia e percebi que não poderia resistir-lhe. Puxei-o para mim e deixei que fizesse do meu corpo o seu mar. De manhã devolvi-o ao seu lugar de sempre, a gaveta da mesa de cabeceira.

5 comentários:

sete e picos disse...

lindo este post! um amigo sempre à mão de semear, ou de navegar...

no baile da d. ester disse...

no dinheiro e no amor, não sou grande apologista do plástico. prefiro as sociedades auto-sustentadas.

8 e coisa 9 e tal disse...

querida d. ester, não sabe o que perde. E com esta já temos uma ideia para o presente de anos, é urgente a sua conversão ao amigo da mesa de cabeceira.

no baile da d. ester disse...

cara oito, não te apoquentes que o amigo da mesa de cabeceira não me é esse imenso desconhecido. simplesmente não lhe tenho grande afecto.

dona de casa desesperada disse...

dona ester, é giro o teu amigo? Tava capaz de me habilitar a ele. Se há-de estar a ganhar pó, que alguém o use.