10 março 2009

porque hoje é um dia

como todos os outros. As ruas com gente que as atravessa, um cão preto que passeia a dona, três mães que levam os filhos à escola, a água com que me lavo e a roupa que visto, o calor do sol na minha cara e a quase primavera que adivinho, o trabalho que se empilha numa pirâmide improvável, o almoço burocrático, o dia que acaba com os seus minúsculos rituais de todos os dias. Porque este é um dia como todos os outros, um dia que começa e acaba comigo ainda aqui, um dia como todos os outros em que me cruzo com pessoas falo bebo como arrumo trabalho caminho, um dia sem absolutamente nada de especial, que será esquecido na mancha indistinta de dias iguais. Até que no meio de minutos e horas iguais, descubro que os minutos e horas iguais são um milagre discreto de que me esqueço vezes demais. Um amigo destroçado com o horror de um dia interrompido, alguém da minha idade que cai para o lado no meio de um dia que era igual a todos os outros, a casa, o jantar, os filhos, um dia esquecível pela repetição dos gestos, um dia igual a todos os outros até ao momento em que o corpo cai inerte e me te nos lembra de que tudo isto é uma aventura demasiado breve.

5 comentários:

foi dançar a bossa nova disse...

"Até que no meio de minutos e horas iguais, descubro que os minutos e horas iguais são um milagre discreto de que me esqueço vezes demais".

Nada mais verdadeiro!

não resistiu ao wiski disse...

Hoje fui-me despedir de uma amiga ao IPO.
Só respirava......
Foi muito estranho despedir-me de uma pessoa ainda com alguma restia de vida e ter a certeza que era um adeus.
Somos todos pirilampos.E de repente "o corpo cai inerte e me te nos lembra de que tudo isto é uma aventura demasiado breve".

Manyfaces disse...

Olá wiski. Bem vinda. Ao oito e coisa e à vida também...

sem-se-ver disse...

lamento.


abraço.

não resistiu ao wiski disse...

Olá Manyfaces. É bom poder partilhar estas vidas........obrigada.