19 janeiro 2007

Deles não será o reino dos céus

Passo os olhos pelos jornais online antes de sair de casa e encontro esta notícia. Garante o cónego Tarcísio Alves que quem votar não ou se abstiver no referendo do aborto será imediatamente excomugando.
O título da notícia é "quem votar sim fica sem funeral religioso". Acharão os jornalistas que os católicos têm todos os pés para a cova? É que há mais 6 sacramentos que perdem com essa brincadeira.
Como sou do contra, se fosse católica ia logo votar sim só para ver o cónego Alves atrás de mim com a letra escarlate.
Ingenuamente pensava que o voto era secreto; pelos vistos só para alguns, os católicos têm de prestar contas não só se votam mas em que é que votam.

17 comentários:

sete e picos disse...

é impressionante até onde pode chegar a mesquinhez, a censura, a hipocrisia. Maldita alergia que não me passa...

Ruiva disse...

Assim ,como assim, uma grande parte dos reis portugueses da I dinastia (alguns deles presentes naquela famosa lista dos melhores portugueses) foram excomungados, e pelos vistos não deixaram de levar o designío de um país avante!
Espero que os católicos tementes tenham isto em conta...
Ah! E para que conste nenhum rei católico deixou de ter um funeral à altura da real pessoa!

dizia ela baixinho disse...

De facto, a história é alucinante e surreal. A palermice é tanta que não arranjo qualificativos.

mas não estará a oitoecoisa a extrapolar e extremar a sua posição quando diz "os católicos têm de prestar contas não só se votam mas em que é que votam"? (sou agnóstica caminhando a passos largos p o ateísmo, p q conste nos arquivos deste blogue e tenho uma certa alergia a qq tipo de discurso religioso). Não acredito em visões maniqueístas desse género. Há mais do que bons, maus e/ou vilões (if you catch my drift).

Voto sim. Pois está claro.

8 e coisa 9 e tal disse...

baby, não estava a extrapolar estava a interpretar as palavras do senhor cónego: para excomungar quem quer que seja pela sua intenção de voto, a igreja tem de saber qual foi o voto real. Ou se vota sim e não se diz nada a ninguém, assim como assim se não se morrer fulminado à frente da urna pode ser que a coisa passe, ou se se assume publicamente o voto arrisca-se a levar com a excomunhão em três tempos.

Eu não acredito que todos os cónegos pensem da mesma maneira, mas este teve tempo de antena. Espero que os que não pensem da mesma forma também se possam exprimir publicamente.

FuckItAll disse...

É excomunhão automática, isto é, é anunciado que quem fizer a coisa (neste caso, votar no Sim) fica excomungado, portanto, mesmo que ninguém saiba, tu sabes e está feito. Se fingires que não e insistires em ir à Igreja e conviver com católicos, estás a pecar ainda mais um bocadinho por cima, por poluires as coisas com a tua presença.

na prise és bestial disse...

Tu sabes e deus sabe, nem sequer precisas de passar pela casa partida do confessionário e pagar € 10 em avé-marias e pais nossos.

manyfaces disse...

Alguém já deve ter chamado o cónego à razão pelo previsível decréscimo de receitas com nissas de funeral, 7º dia, mês, and so on... Esse é um segmento de mercado importante para qualquer cónego (em certas terras é mesmo o core business). O business as usual vai prevalecer.
Para além disso quem defende a excomunhão deve também ser adepto das indulgências. Assim sendo se à data da morte o cónego descobrir que o falecido está excomungado pode sempre propor o pagamento de uma indulgência especial e assim lucra na indulgência mais nas missas por intenção. Vai-se a ver e isto se calhar não passa duma estratégia para melhorar o business plan... Estes sacanas dos Cónegos são espertos comó... Tiveram bom Mestre, é o que é (o Melo).

pla disse...

Eu cá sempre tive como exemplos desta Igreja pessoas que pelo seu pensamento livre até chegaram a ser excumungados e que posteriormente foram readmitidos.
Presumo que o Frei Bento Domingues explicou recentemente uma posição contrária à de este senhor.
Cristo é amor, paz e comprensão, nunca castigo, ódio ou intolerância.

manyfaces disse...

"Cristo é amor, paz e comprensão, nunca castigo, ódio ou intolerância."

Olhe que na expulsão dos vendilhões do templo ele foi bem bruto. Acho que será mais correcto dizer que ele lá teve os seus dias maus, como toda a gente...

pla disse...

Partindo do princípio que lá esteve, tenho que aceitar o seu reparo...não sem antes lhe falar nas confusões entre antigo, novo testamento e o facto de a grande maioria dos relatos serem apenas estórias....enfim. Não tenho grandes dúvidas quanto ao facto de Jesus de Nazaré ter sido um grande homem, muito diferente dos demais na sua época. Cristo enquanto símbolo de um religião e referência de uma Igreja (Católica)é amor, paz e compreensão e nunca castigo e opressão, apenas isto.

manyfaces disse...

Infelizmente não estive. Mas diz quem parece ter estado:

“Tendo Jesus entrado no Templo, expulsou a todos os que ali vendiam e compravam; também derrubou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas. ....”

Ora, para mim isto é bruteza, sobretudo com os das pombas.

PS: peço desculpa à oito e picos por estar a usar o blog para discussões sobre a bruteza divina.

nove e tal disse...

Mas o q ele não disse foi q havia o cânone 1324!

"Não fui eu que inventei estas regras, está tudo bem explícito no Cânone 1398" diz o cónego.

Fui à wikipedia ver o tal do Cânone 1398 e descobri depois um tal de canône 1324, q atenua e redime o delito em certas e determinadas circunstâncias (isto do direito canônico tem que se lhe diga). ora vejam:

"Atualmente, segundo o cânon 1398 do Código de Direito Canônico, "quem provoca aborto, seguindo-se o efeito, incorre em excomunhão latae sententiae". Segundo o canonista Pe. Jesus Hortal, a excomunhão "atinge por igual a todos os que, a ciência e consciência, intervêm no processo abortivo, quer com a cooperação material (médico, enfermeiras, parteiras etc.), quer com a cooperação moral verdadeiramente eficaz (como o marido, o amante ou o pai que ameaçam a mulher, obrigando-a a submeter-se ao procedimento abortivo.

A mulher, não raramente, não incorrerá na excomunhão por encontrar-se dentro das circunstâncias atenuantes do cân. 1324 § 1º, 3º e 5º". Tais circunstâncias podem ser: a posse apenas parcial do uso da razão, o forte ímpeto da paixão ou a coação por medo grave".

FuckItAll disse...

Hum... julgo que a frase é textualmente "Não vim trazer a paz..."
Às vezes a salvação e (sobretudo) Deus não são feitos de cházinhos - isso até é uma faceta que me agrada na teologia cristã.

FuckItAll disse...

(tanx, nove i tall, boa adenda à conversa original)

nove e tal disse...

desculpem, onde está delito, coloquem-se as devidas aspas: 'delito'.

(é fascinante o direito canônico... ou seja, 'tá tudo feito ao bife, menos a mulher, ao abrigo do cânone 1324. é divino, não é? )

nove e tal disse...

ah pois merece uma posta, ah se merece...

espera aí q é só acabar aqui um relambório q já pespego com o cânone 1324 na chafarica.

tumtum disse...

É lamentável esta estratégia de intimidação por parte da Igreja...

Leiam, se puderem, a crónica de Rui Tavares de sábado (ante-ontem). É sobre este assunto.