09 janeiro 2007

Os sonhos dos outros

A parte pior de partilhar a casa com o Miguel é ter de ouvir os sonhos dele ao pequeno almoço.

6 comentários:

O Meu Outro Eu Está a Dançar disse...

pois... eu também não sou boa ouvinte de sonhos... prefiro que me contem o dia anterior.

8 e coisa 9 e tal disse...

Esta opinião não é minha, é do meu amigo que vive com o Miguel. Farto-me de rir de cada vez que me lembro dela, porque estou a imaginá-lo contente e tranquilo a beber o café e o outro a chegar e dizer pontualmente "nem sabes o que sonhei esta noite".

Lembrei-me disso hoje porque foi a segunda vez na mesma semana que partilhei o que tinha sonhado com alguém. Nós que acordamos e nos lembramos das emoções dos sonhos ainda estamos apardalados com aquilo, mas para o próximo deve ser tipo "hum, está bem. passa-me o leite".

sete e picos disse...

para mim é o contrário, o bom de viver com alguém é poder partilhar os nossos sonhos (os que sonhamos a dormir e os que sonhamos acordados)

O Meu Outro Eu Está a Dançar disse...

:) pois nisso têm razão... mas
desconcentro-me facilmente quando estou a ouvir contar um sonho (dormido). talvez por serem desconexos, mas já pensei se não terei partilhado um sonho com alguém... isso sim seria magia! já tentei segredar "swatch" muitas vezes ao ouvido do meu pai para ver se ele me dava um... (e resultou)
tenho que acreditar mais no inconscieeeente...!

dizia ela baixinho disse...

eu quando me lembro de um sonho gosto de o contar detalhe por detalhe. serei como o miguel? (na realidade, nunca olhei p a cara e entusiamo do interlocutor de tão absorta q estou...) é capaz, é capaz...

mas, tal como a sete e picos, partilhar os sonhos q sonhamos acordados é do MELHOR!

8 e coisa 9 e tal disse...

Partilhar os sonhos acordados? pois claro, chama-se a isso "viver" ou ter um projecto de vida em comum, com os amigos ou com o/a conjuge.

Aqui a questão é mais "tchi, nem sabes, esta noite eu era um corsário dos altos mares, e o barco voava, e de repente aparecia o meu tio francisquinho cheira cús, não sei porquê, e depois estava não sei como num celeiro e dava um salto à matrix para dar cabo do canastro a um mauzão que tinha a cara do vizinho do 5º dto. Ah, e além disso descobria um assassino que envenenava as pessoas através de um DVD, uma coisa maradissima."

A meio já ninguem percebe nada... e tudo isto antes do café.