18 janeiro 2007

Hoje faz anos, mas não cantamos os parabéns

No dia 18 de Janeiro de 2002, há exactamente 5 anos, terminou, no tribunal da Maia, o julgamento de 17 mulheres acusadas da prática de aborto. Foi o culminar de 4 meses em que a vida mais íntima das acusadas foi exposta e remexida até à exaustão. A sociedade portuguesa percebeu que afinal era possível julgar e condenar mulheres pela prática do crime de aborto. (...)O Julgamento da Maia ocorreu entre 2001 e 2002, com um total de 43 arguidos, entre mulheres que abortaram, assistentes sociais, ajudantes de farmácia, um taxista e uma enfermeira parteira. Das 17 mulheres acusadas, 16 foram absolvidas e uma foi condenada a 4 meses de prisão (substituíveis por 120 dias de multa) depois de ter confessado os factos. A enfermeira parteira foi sentenciada a oito anos e meio de prisão, tendo visto reduzida a sua pena para metade depois do indulto do então Presidente da República, Jorge Sampaio, por ocasião da quadra natalícia.

5 comentários:

Ruiva disse...

A verdadeira face da Injustiça!...

Nomyia disse...

2002 não foi há assim tanto tempo...
*****

na prise és bestial disse...

O fígado contorce-se, o estômago dá voltas, e cresce a fúria de viver num país assim. Deve ser alergia à hipocrisia.

FuckItAll disse...

Um bom caso para recordar aos que continuam a dizer que não há mulheres julgadas por aborto até às 10 semanas...

Rita de Matos Oliveira disse...

As mulheres julgadas em 2002 tinham realizado abortos em bebés co mais de 10 semanas de gestação. Mesmo que o sim ganhe vão continuar a ser consideradas criminosas.

Desculpem a intromissão, mas acho que os esclarecimentos são sempre úteis ;)