23 janeiro 2007

O maravilhoso mundo dos forwards

The latest telephone poll taken by the office of the Governor of Texas asked whether people who live in Texas think illegal immigration is a serious problem:
35% of respondents answered: "Yes, it is a serious problem."
65% of respondents answered: "No, no es un problema serio."

13 comentários:

sete e picos disse...

outro título para a posta poderia ser: o maravilhoso mundo da estatistica.

(a amiga hoje anda inspirada, hã? também andas a dar-lhe na tua tese?)

manyfaces disse...

Se eu fosse a fazer uma estatística dos meus amigos trintões, para aí 50% estão a acabar teses, a escrever teses, a deprimir com teses ou a desistir de teses... Tanta tese, tanta tese... Espero que tudo seja a bem da Nação e do progresso Pátrio. Um conselho que dou a todos: "Não perguntes o que podes fazer pela tese, mas o que ela pode fazer por ti".

marta disse...

Se tens de ler estas coisas para a tese, tenho peninha de ti.

8 e coisa 9 e tal disse...

marta, eu não tenho de ler estas coisas para eu tese, eu leio-as para não ter de escrever a minha.

Não sei muito bem que género de pessoa se dedicaria a fazer uma tese sobre piadas a circular em forwards nos mails, mas olha és capaz de ter dado uma bela ideia a um par de académicos estéreis.

manyfaces, a malta anda toda nas teses a ver se faz a finta ao resto do mundo. O pior é quando descobrem que enquanto a faziam o mundo é que os fintou a eles.

óculos escuros, bigode e gabardine disse...

And then one day you find ten years have got behind you
No one told you when to run, you missed the starting gun

Pink Floyd - Time

FuckItAll disse...

Grande conselho, manyfaces...

manyfaces disse...

...tenho experiência no assunto (e de todos os ângulos possíveis): aluno, supervisor, amigo de, financiador, avaliador,...
Podia montar um consultório para "distúrbios da tese": mezinhas, teso-terapia, desintoxicação, desmame, teso-depressão, teso-compulsão, mau-olhado-tesal... you name it.

Consultas privadas na net, com todo o gosto:
manyfaces@sapo.pt

Anónimo disse...

como potencial cliente do consultório 'disturbios da tese', desistir da tese a meio será um disturbio ou apenas sinal de saúde mental? É que de vez em quando passa-me essa pela cabeça...
afonsa

8 e coisa 9 e tal disse...

e desistir da tese quando só falta a revisão bibliográfica? É falta de colchões académicos?

manyfaces disse...

OK, consultas em público é pouco deontológico mas cá vai:
Desistir da tese a meio pode ser não só saudável, mas mesmo imprescindível. A pergunta certa para se avaliar a coisa: "se daqui a 10 anos fizer uma lista das 10 maiores borradas na vida, acha que desistir da tese viria antes ou depois de ter feito a tese ?" Antes ou Depois são respostas pouco conclusivas ou úteis (porque projectar uma depressão existencial a 10 anos é difícil). Mas..., se a resposta for: "Daqui a 10 anos ainda devo estar a fazer a merda desta tese, puta ca pariu que já nem a posso ver", então, voila, a resposta indica que deve desistir da tese JÁ! Ela vai matá-lo... lentamente...


Já desistir durante a revisão bibliográfica, não, não faça isso. A menos que a revisão indique que já há uma tese igual, e peço desculpa por levantar esta possibilidade, porque é certo que isto lhe vai dar suores frios por uns dias. Já aconteceu mas é pouco provável. Não impossível mas improvável.
Ainda que uma avaliação totalmente objectiva lhe diga que se vai envergonhar da tese, que o mais provável daqui a 10 anos seja omiti-la deliberadamente do seu curriculo, por vergonha... Ainda assim não desista. Ainda que a defesa da tese seja um exercício de humilhação sádico que vai dar pesadelos para o resto da vida. Ainda assim, não desista.

E para consulta pública já me estiquei demasiado. A Ordem ainda me repreende.
Se querem terapia tesal completa façam o favor de usar o consultório privado.

FuckItAll disse...

Desistir da tese é uma possibilidade muito saudável quando descobrimos que ela e a vida académica não nos interessam absolutamente nada e nos andam a comer a alma aos bocados... digo-vos eu.

Agora, se alguma das coisas interessa alguma coisa; se a saúde mental que resta o permite... então bite the bullet e aguente-se até ao fim, que levar as coisas ao seu termo é sempre melhor.

E agora retiro-me, envergonhada pelo ataque de seriedade.

sete e picos disse...

querida afonsanónima, arrefinfa-lhe nessa tese, que o pior já passou mas o rabo custa sempre a esfolar. Já fizeste uma, também vais fazer esta...

FuckItAll disse...

...haja em vista a quantidade de imbecis sem cérebro que por aí andam com teses feitas. Não pode ser assim tão difícil. A proximidade e o cansaço é que fazem parecer tudo pior.