03 janeiro 2007

A casa, mais uma vez

Uns amigos pediram-me para lhes ficar com o gato enquanto iam de férias para a terrinha; o meu deu a alma ao criador há uns tempos, podia ser que servisse para matar saudades, já sabes como tratar dos bichos e o garrincha é um animal sociável que se vai dar muito bem em tua casa. Então e quando é que vocês voltam? Daqui a 15 dias. Hum, os amigos são para as ocasiões, os gatos nem dão muito trabalho, nos dias de natal não vou estar em casa mas ele amanha-se com a comida e as necessidades, não vai haver problema. Dia 23 deu entrada no albergue desta múltipla um lindo e portentoso gato preto de olhos amarelos.

Os primeiros dias correram bem, festinhas, colinho, até o deixei dormir ao fundo da minha cama ao contrário dos donos, comportando-me como os avós a mimarem os netos. Que se lixe, quando voltar para casa eles que se arranjem, entretanto trato-o como se fosse meu. O gato é muito bonito, enorme. Estende-se em cima das minhas pernas, o que seria uma óptima ideia não fosse ele tão grande e as minhas pernas tão pequenas; vira-se para me mostrar que também tem uma barriga boa para dar festinhas, arriscando-se a um bungee jumping sem corda. Ele deve gostar mesmo muito de festinhas ali, porque quando chego a casa ele vem a correr ter comigo à porta e atira-se para o chão de patas para o ar, o que me faz sempre rir imenso e me conquista imediatamente.

Ao 5º dia, por milagre do destino coincidente com a limpeza da Rosário, acordo com uma enxaqueca e a senhora com a sua verborreia constante começa logo a matraquear-me "ó menina, está uma mancha de sangue enorme no sofá parece que alguém menstruado se sentou ali". Cruzes credo, isto logo ao acordar sem café nem nada é informação a mais para mim. Penso, serei sonâmbula e terei andado a esfregar-me nos sofás sem dar por nada? Corre-me um arrepio de medo pela coluna. "ó menina, o outro sofá também tem, no encosto". Bolas, esfregar-me no encosto já me parece exagerado, mesmo para uma sonâmbula. "Menina, menina, é o gato que está a perder sangue!! Afinal se calhar é uma gata!!"

Não pode ser, ele tem bolinhas bem visíveis, não faz sentido. Quando o vou a agarrar para ver o que se passa descubro que de facto está a perder sangue das partes baixas. Ai mãezinha, vamos já para o veterinário, que o gato não me morra nos braços. Telefono, marcam-me consulta para dali a 3h. Entretanto, o bicho na sua aflição e sem dúvida enormes dores tinha-me deixado marca da sua existência em ambos os sofás, 3 das almofadas, na colcha e lençóis do quarto de hóspedes, no maple do escritório e no chão do meu quarto. Tanta actividade para um bicho tão pequeno não deixa de ser notável. Decido fechar a besta na casa de banho, sempre prefiro limpar o chão que fazer a enésima máquina de roupa, e esperamos.

Vamos finalmente ao veterinário, diagnóstico infecção urinária; urina com alguns cristais fragmentados, antibiótico durante 10 dias e ração especial para doenças renais. Vá para casa e verifique que ele urina, porque se ele entupir tem de o levar à clinica de S. Bento para ficar a soro, porque se a uretra bloqueia ele pode quinar.

Confinei a besta à casa de banho e corredor, e lá ando eu a inspeccionar as areias de cada vez que o bicho vai fazer xixi, não me apetece nada passar a meia noite do ano novo a brindar águas destiladas com os veterinários de serviço.

Hoje, ao 5º dia de tratamento o pobre gato começa a dar sinais de maior vitalidade, suspiro de alívio, o pior já passou.

Acho mesmo que a casa tem qualquer coisa contra os animais. Ainda na semana anterior a Rosário, pobre Rosário, me apareceu à beira do vómito por ter encontrado um pombo cadáver na varanda do meu quarto.

Nem pássaros nem peixes, é assim.

7 comentários:

dizia ela baixinho disse...

querida mútlipla, essa casa dá que pensar, de facto... Livra!

(bela posta, não obstante o tema)

o gato está melhor?

Filipe M. Reis disse...

Eu sou menos dado a fatalismos e assombrações, mas lá que é uma história do camandro lá isso é. E muito bem contada, as usual.
:)

sete e picos disse...

farto-me de rir com as postas sobre os animais da tua casa!!! Ainda bem que os gatos não dão trabalho nenhum ;)

sete e picos disse...

e lembrei-me que a minha gata também tinha a mania de me trazer animais mortos para dentro de casa. A primeira vez que vi um cadáver ensaguentado de pomba pensei: se esta merda é simbólica estou fodida... mas depois repetiram-se e variaram os cádaveres e já descansei.

8 e coisa 9 e tal disse...

amiga sete, essa dos gatos levarem as presas para casa é lixada. Há uns gatos atrás lembro-me de encontrar um pardal moribundo no corredor, sob o olhar orgulhoso do bicho. Ainda o tentei salvar mas n havia nada a fazer.

dizia ela baixinho, o gato já recuperou completamente a vitalidade, tanto que começou a asneirar. Entre descobrir e romper o saco da comida nova e durante a noite descobrir como abrir a porta da cozinha, para saltar para a sala pelo balcão e dormir refastelado toda a noite no sofá, tem havido um pouco de tudo.

Amanhã volta para casa, como a lassie.

Filipe, pero que las hay, las hay.

estreladumar disse...

'há uns gatos atrás', hahahahahaha!

(pq tens tanta graça?!)

8 e coisa 9 e tal disse...

como dizia esse grande ícone da bica e do mundo Milu Ferreira, não tenho culpa de ser boa :)