03 janeiro 2008

ao terceiro dia

e se fossem proibir para a puta que vos pariu?
e se fossem brincar aos países civilizados com os serviços de saúde, educação ou protecção social em vez de foderem a cabeça a uns quantos milhões de pessoas que agora escorraçam para a rua, a chuva, o vento, enquanto enchem os cabrões dos cofres com os milhares e milhares de euros de impostos que cobram com os cigarros que se vendem?

8 comentários:

joaquim disse...

gostei da força do grito. não concordo com algumas coisas mas gosto da genica do grito!

sete e picos disse...

ai a nicotina anda praí aos pinotes... pensa que pode ser sempre uma boa altura para deixar de fumar e de engrossar os impostos recolhidos em tabaco

8 e coisa 9 e tal disse...

já pensei nisso, já comprei adesivos e pastilhas, já tentei decidir o dia, já enchi o armário da casa banho com ansiolíticos, já me inscrevi num ginásio, já descobri uma dieta, já pensei nas maravilhas de abandonar os cigarros, já isso tudo, mas continuo a irritar-me com esta fúria paternalista do Estado que insiste em tomar conta de nós em detalhes como este e se esquece de tomar conta de tantas outras coisas - mais caras, mais difíceis, mais trabalhosas, menos evidentes, menos visíveis.

foi dançar a bossa nova disse...

Minha querida oito, para além de concordar com o posto, concordo sobretudo com o teu comentário!! é mesmo isso!

Eu disse...

'tá de chuva...

Anónimo disse...

o que os fumadores não percebem é que o estado não está minimamente preocupado com eles. Se querem morrer cedo que morram, mas não levem os inocentes com eles. O estado está simplesmente a salvaguardar a liberdade e o direito das outras pessoas, que também são humanas e t~em direito a estar sossegadas sem levar com o fumo na cara. Aplaudo a nova lei.

no baile da d. ester disse...

estou tão feliz por ter deixado de fumar há dois meses e meio...

vociferei exactamente os mesmos argumentos contra o governo italiano (com o brinde de poder insultar o berlusconi). No entanto devo dizer que me parece correcta a lei, de obrigar à criação de espaços fumadores que serão frequentados por não fumadores se estes o desejarem. E vice versa, bem entendido.

Se me senti tratada como uma agarrada por ser obrigada a ir à rua fumar um cigarro, debaixo de neve? sim.

sem-se-ver disse...

oh sr anónimo, santa ingenuidade... então cuida que o Estado está muito preocupadinho com a sua saudinha, a dos inocentinhos tadinhos dele tão impolutozinhos que não fazem asneirazinhas nenhuminhas na vidinha que levam e são muito saudaveiszinhos de cada vez que inspiram uma baforada de tubo de escapezinho? será que o sr anónimozinho não percebeuzinho que a única coisa que move o Estado é a saúde financeira dos cofres do Estado aumentando os impostos sobre o tabaco e tentando diminuir os gastos com as doenças derivadas do tabaco e nada mais? não entende o anonimozinho que, para além de muitas outras hipocrisias que se poderiam desmascarar a este propósito, a principal é que o Estado está-se bem a borrifar para a saúde dos inocentezinhos?

(desculpar-me-á e asseguro-lhe que não é falta de nicotina. que a fumar continuo e continuarei.)