28 julho 2008

dedicado a todos os "pais de calvin" do mundo

- Quem é aquele ali naquele quadro, sentado na cadeira?
- Ah, aquele ali era um gajo francês qualquer muito importante.
- Como é que se chamava?
- Napoleão Bonaparte.
- Ah, lembro-me de ouvir falar.
- Isso era a alcunha que lhe deram depois por causa dum cão que teve chamado Bona, exactamente, que andava atrás dele para toda a parte.
- A sério? Que giro.
- Pois. Eu em história era um craque.
- E que fazia ele lá na França?
- Sei lá, era uma gajo importante, pronto. Ganhava as batalhas todas.
- Tem ar de mau.
- Isso é porque era mesmo mau. Vivia sozinho numa ilha deserta no meio do mar e comandava as tropas directamente dali..
A mãe entra na sala.
- O que é que estás para aí a ensinar ao miúdo, Joaquim? Não dês ouvidos ao teu pai.
- E nunca saía da ilha?
- Não. Mandava as ordens todas por pombo correio.
- Joaquim!

4 comentários:

d. inês sequiosa disse...

Ainda bem que temos craques em história por estas bandas. Afinal a columbofilia é uma forma de saudosismo napoleónico.

sete e picos disse...

ai a columbofilia... que saudades desses maravilhosos blogs encontrados por esta gulobosfera, em que deparamos com essa maravilha de desporto que tanto faz para conquistar as senhoras

(http://oitoecoisa.blogspot.com/2007/05/pedimos-desculpas-por-esta-interrupo.html)

este senhor do teu post, não tarda nada também monta um blog para pensar, com tanto saber histórico acumulado...

manyfaces disse...

Pois, que bela série Napoleónica... Gostei.
Não tenho mesinha de cabeira, senão juro que o punha lá, em cima de um naperon.
Mentira minha... tenho mesinha mas não tenho naperon.
Mentira minha... tenho naperon mas não tenho coragem.

nove e tal disse...

este cromo que dá pelo nome de joaquim, e que é um craque em história, tb dá cartas em graça: o cão bona que o seguia por toda a parte, as ordens enviadas por pombo-correio.

aguardo mais histórias do joaquim.